Image Map

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Boyhood, Richard Linkhlater


Assisti Boyhood com muita expectativa e acreditando que a decepção seria grande. Muito burburinho pela maneira que o filme foi feito e eu, sendo muito apaixonada pela trilogia que começou com “Antes do Amanhecer”, me perguntava se o diretor seria capaz de fazer algo melhor do que essa trilogia, cujo os filmes figuram na minha lista de favoritos. E qual não foi a minha surpresa ao me deparar com um filme muito bem realizado. Um trabalho realmente maduro do Richard Linkhlater.

Boyhood segue o olhar e a vida de Mason, acompanhando sua trajetória dos 6 até os 18 anos. O diretor gravou com todo o elenco principal por doze anos. Vemos na tela o real envelhecimento dos personagens/atores. A ideia é inovadora e inesperada, mas se o roteiro e a direção não fossem tão bem executados, Boyhood não passaria de um filme pretensioso, com um dispositivo interessante. A questão é que o Richard consegue criar uma história comum, mas envolvente e que no mundo de hoje não fica difícil de se relacionar.

O filme não tem grandes alegorias estéticas. Planos extravagantes, uma direção de arte que chama muita atenção, nada disso faz arte de Boyhood. Visualmente é simples, porque é isso que o filme pede. E filmar o simples sem ser simplório é algo bastante difícil.

A história não tem grandes acontecimentos e reviravoltas. A ideia é retratar a vida cotidiana da maneira mais fiel possível, com seus momentos de tédio, inclusive. É mostrar os relacionamentos cheios de amor e dor, erros e acertos; as dúvidas que todos carregam e são muito pessoais; a forma que a vida tem de não ser perfeita e ainda assim ser especial.   

Em quase três horas de filme somos presenteados com uma narrativa que não cansa, e é maravilhoso acompanhar os 12 anos de vida daqueles personagens, que vão envelhecendo naturalmente em frente aos nossos olhos. 

Com interpretações convincentes de todos os atores, com diálogos muito bons (a prova que o Richard é realmente bom com seus roteiros), Boyhood foi uma surpresa melhor do que eu esperava.




0 Comments:

Postar um comentário